A princípio, muitos maconheiros pensam que a onda da cannabis é limitada apenas pela strain que está sendo consumida, mas a temperatura é um fator não menos importante, pois os compostos presentes na maconha possuem diferentes pontos de ebulição.

Fazendo uma analogia, a temperatura é como se fosse a chave para desbloquear quaisquer efeitos que a strain pode oferecer. Por exemplo, uma strain rica em CBD como a ACDC, deve ser aquecida a pelo menos 179,4°C (355°F) para desfrutar de seus benefícios por completo. Da mesma forma, o relaxante terpeno linalol não desencadeia seus efeitos a menos de 197,7°C (388°F). A temperatura também determina a intensidade da onda: temperaturas mais altas exageram efeitos, enquanto temperaturas mais baixas oferecem efeitos mais sutis e funcionais.

No entanto, esse tipo de personalização dos efeitos não é possível apenas fumando a erva. Quando você acende a maconha através de uma chama, a planta entra em combustão liberando fumaça, dióxido de carbono e outras substâncias prejudiciais. A temperatura é alta suficiente para ativar o THC e outros compostos, mas também pode destruir canabinoides voláteis.

Veja como a temperatura que você vaporiza a sua erva pode afetar a sua onda.

Pontos de Ebulição de Compostos de Cannabis

Fonte: Leafly

Baixa temperatura para efeitos leves e funcionais

154°C a 165°C (310°F a 330°F)
Recomendado para: leve euforia, foco, produtividade, relaxamento sutil

Não há quem não goste de ficar chapadão, mas as vezes o que você precisa é apenas uma ajudinha da cannabis. Em ocasiões que você precisa de um alívio para rotinas e tarefas do dia-a-dia, vaporizar usando baixas temperaturas é a chave para efeitos mais funcionais e produtivos.

Dessa forma, baixas temperaturas são ótimas para rotinas de trabalho ou de estudos, onde a capacidade de foco e concentração não devem ser afetadas. Trás a sensação de estar alerta e em controle completo das capacidades.

Ainda, a faixa de 154°C a 165°C pode ser indicada para maconheiros iniciantes ou pessoas mais sensitivas aos efeitos colaterais do THC como tontura, paranoia, boca/olhos secos, letargia. De forma contrária aos efeitos, o sabor é intensificado, se tornando uma excelente forma de literalmente degustar aquela sua doçura.

Temperatura moderada para uma onda balanceada

165°C a 187°C (330°F to 370°F)
Recomendado para: euforia moderada, consciência sensorial melhorada, elevação de humor, relaxamento funcional

Conforme você aumenta o calor, mais THC é volatilizado e os efeitos vão se tornando mais intensos. A faixa de temperatura média para vaporizar maconha – 165°C a 187°C – acentua os efeitos mais eufóricos que ajudam a elevar o humor, estimula risadas e abre o apetite. Não é tão chapante quanto após cruzar a marca dos 187°C, mas já é possível sentir um pouco daquela leseira que as temperaturas mais baixas guardaram para você.

Assim, seja para se exercitar, socializar, ler um livro ou jogar vídeo game, as temperaturas moderadas vaporizam a maioria dos canabinoides e terpenos, sem volatilizar completamente o THC. No entanto “por que eu iria querer menos ingerir menos THC?” – você me pergunta. A resposta é para encontrar um equilíbrio entre os efeitos de elevação de foco e consciência sensorial combinada com a dose ideal de relaxamento, sem a confusão que a euforia intensa trás.

Altas temperaturas para euforia intensa e relaxamento

187°C a 220°C (370°F to 430°F)
Recomendado para: euforia intensa, dormir, relaxamento intenso, meditação

Em temperaturas acima de 187°C ocorre a descarboxilação total do THC. Terpenos como o linalol (calmante, alívio de ansiedade) e canabinoides como o THCv (energizante, inibidor de apetite) serão vaporizados. No entanto é bom lembrar que você estará próximo de atingir a temperatura de combustão (próximo dos 230°C), portanto tome cuidado ao passar dos 220°C. Você provavelmente notará que o vapor é mais concentrado e áspero no pulmão.

Strains como a Girl Scout Cookies, rica em THCv, que é um canabinoide altamente psicoativo conhecido por seu poder inibidor de apetite (isso mesmo, inibidor).

A partir dos 187°C, os efeitos de relaxamento e euforia são bastante intensos, se tornando uma faixa agradável para dormir e meditar. Graças ao THCv, ao atingir os 220°C a larica também será bem menor.

Diferenças entre strains de Cannabis e temperaturas e efeitos

Enfim é importante lembrar que a temperatura que você usa para vaporizar a maconha não cria novos efeitos em strains, apenas os modifica. Sendo assim, a diferença entre cannabis sativa e cannabis indica vai sempre prevalecer, mas escolher a temperatura certa dá maior controle sobre os efeitos que se quer obter, de forma que isso não prejudique a atividade a ser realizada.

Um estudo diz que quanto maior a temperatura, maior a taxa de canabinoides por volume de vapor. Vaporizar a maconha na faixa de 200°C a 230°C libera quantidades significativamente maiores de canabinoides em comparação com a fumaça de um baseado. Em outras palavras, vaporizar a ganja te deixa mais chapado do que fumando-a.

Contudo também tenha em mente que a temperatura de ebulição dos canabinoides pode variar de acordo com a pressão e demais fatores de ambiente, então não tome como absolutas as temperaturas apresentadas aqui e leve em consideração erros de precisão na temperatura do vaporizador.

 

E aí, você sente que vaporizar intensifica os efeitos da maconha? Experimente novas temperaturas e conte sua experiência nos comentários!

 

Posts recentes

Veja mais