20 atletas que defendem o uso de maconha no esporte

O uso de Cannabis no esporte é um antigo tabu difícil de ser quebrado. Quando pesquisamos sobre o assunto o que encontramos são pesquisas vagas na área e principalmente notícias de atletas presos ou suspensos por usar maconha.

A verdade, porém, é apenas uma: Atletas profissionais fumam maconha. Inclusive, segundo estimativas dos próprios atletas, uma enorme parte deles fuma. Alguns até mesmo antes dos jogos.

“Todos os meus melhores jogos foram medicados”, diz Matt Barnes, que venceu o campeonato da NBA com o Golden State Warriors no ano de 2017 e passou 14 temporadas na NBA. “Não foram todos os jogos, mas, em 15 anos, foram muitos”.

O ex-jogador da NBA Kenyon Martin revelou um número espantador quando perguntando em entrevista quantos jogadores ele achava que fumavam escondidos do público – “Acho que 85% da liga (NBA)”, estimou Martin. “Muita gente que você não acha que fumava. “.

Na mesma entrevista, Matt Barnes disse: “Donos de times, treinadores, presidentes: É mais profundo do que você imagina. As mesmas pessoas que estão aplicando punições e nos suspendendo estão fumando Cannabis.”

“Todo mundo é fumante escondido”, disse  Al Harrington, ex-jogador da NBA que passou para uma segunda carreira na indústria de maconha. ” Todos os meus mentores bilionários. Todos eles consomem [cannabis]. Eles fumam como loucos.”

A maconha no esporte na maioria das vezes é usada como analgésico, uma alternativa segura ao uso de opioides.

“A maconha pode ser útil para esportes tanto durante a atividade quanto depois”, disse o Dr. Tishler, médico formado em Harvard e especialista em terapêutica com Cannabis. Ele ainda completa: “Seu papel principal é o de um analgésico, que pode ser útil em ambas as situações.”

Reunimos aqui uma lista de 20 atletas – em nenhuma ordem específica – que defendem a legalização da Cannabis e defendem seu uso como parte de sua recuperação e treinamento.

Bob Burnquist

Um dos maiores nomes do skate mundial de todos os tempos, Bob Burnquist é um ávido militante da legalização da maconha em suas redes sociais.

Bob Burnquist maconha

Foto: MacoProject – Siga Bob Burnquist no Instagram: @bobburnquist

Em entrevista à ESPN, o presidente da Confederação Brasileira de Skate (CBSk) destacou ainda que a maconha não traz nenhum benefício de performance ao atleta. Mesmo sem ser um estimulante, a erva está entre as substâncias proibidas pela Wada, a Agência Internacional Antidoping.

“Quero liderar os estudos, montar uma comissão e fazer um movimento de ir à Wada debater isso. É evidente (que a Cannabis) não melhora performance, mas melhora, sim, e muito, a sua dor, sem precisar da p… de um opioide. É uma oportunidade que o skate está tendo de liderar um movimento, mantendo assim, inclusive, a nossa identidade de contestar, além de não nos matarmos com drogas muito mais perigosas” – disse Bob na entrevista.

“É um absurdo. Já há milhares de estudos e medicamentos analgésicos com THC (substância psicoativa da cannabis) que mostram um risco muito menor para o consumidor do que os opioides”, diz ele. “É uma ironia e uma hipocrisia o THC ser proibido e o opioides não. O que temos de amigos viciados em analgésicos do tipo…”, disse ele ao ESPN.com.br.

Eugene Monroe

Em março de 2016, Monroe se tornou o primeiro jogador ativo da Liga Nacional de Futebol Americano (NFL) a defender abertamente o uso de maconha para tratar lesões esportivas e dores crônicas. 

Em uma matéria publicada no New York Times em Maio daquele ano, Monroe pediu à NFL e ao seu comissário Roger Goodell que parassem de testar os jogadores quanto ao uso da maconha. Ele citou seu potencial como uma alternativa segura a outros medicamentos comumente prescritos como opióides. Sobre isso, Monroe comenta:

“Agora sabemos que esses medicamentos não são tão seguros quanto os médicos pensavam, causando taxas mais altas de dependência, causando mortes em todo o país. Temos a Cannabis, que é muito mais saudável, muito menos viciante e, francamente, pode ser melhor no controle da dor. “

Atletas que usam cannabis

Siga Eugene Monroe no instagram: @mreugenemonroe

O ex-atacante passou sete anos na NFL. Ele jogou no Jacksonville Jaguars (2009-2013) e Baltimore Ravens (2013-2016) antes de se aposentar em junho de 2016 para se concentrar em sua saúde e na família.

Ele dedicou sua carreira pós-NFL a aumentar a conscientização sobre os benefícios medicinais da cannabis. Ele diz publicamente à NFL em seu site:

 “[…] a remover a maconha da lista de substâncias proibidas; financiar pesquisas sobre maconha medicinal, especialmente no que se refere à CTE; e pare de prescrever opióides viciantes e prejudiciais “.

Monroe é membro da HealthyUNow, Athletes for CARE e Green Thumb Industries (GTI), uma instalação de pesquisa, cultivo e dispensário.

Liz Carmouche

Carmouche, também conhecida como “Girl-illa”, foi uma das primeiras mulheres a introduzir artes marciais mistas (MMA) no Ultimate Fighting Championship (UFC) quando competiu contra Ronda Rousey em 2013 pela luta pelo título inaugural da organização. 

Carmouche é creditada como a primeira mulher gay a competir dentro da famosa gaiola. Ela usa o CBD para se recuperar mais rápido e treinar mais.

Atletas que usam maconha

Siga Liz em seu instagram: @iamgirlrilla

O óleo CBD é sua salvação após horas de intensa prática. Ela aplica produtos a base de maconha, como pomadas, imediatamente após os exercícios para aliviar a dor e a inflamação.

“[Atletas de combate] levam tanto impacto e destruição ao nosso corpo que precisamos encontrar algo para cuidar.” Com pouco ou nenhum efeito colateral conhecido, o CBD é uma maneira segura e eficaz de fazer isso.

Os benefícios que ela experimenta da CBD a inspiram a promover seu uso entre atletas de elite e amadores. Na verdade, Carmouche disse que não entende por que alguém não usava CBD:

“Não é apenas seguro de usar durante atividades físicas intensas, não é viciante e não deixa você chapado. Há muitas informações erradas por aí e eu adoraria ajudar a esclarecer isso. ”

Carmouche é uma defensora da comunidade LGBTQ, é veterana do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e , atualmente, fez parceria com a empresa de óleo de cânhamo “HempMeds”.

Matt Barnes

Matt Barnes maconha

Foto: Herb / Bleacher Report – Instagram: @matt_barnes9

Durante seus 15 anos de carreira na NBA, Matt Barnes desenvolveu uma rotina de treinamento confiável. Primeiro, um treino matinal na quadra. Em seguida, ele voltava para casa para descansar, onde fazia o que muitos jogadores da NBA fazem durante aquelas longas tardes: Um cochilo, um banho e uma refeição.

Mas antes de tudo isso, Barnes fazia algo a mais: Ele fumava um baseado.

“Não foram todos os jogos, mas em 15 anos foram muitos”, disse Barnes ao Bleacher Report em uma mesa redonda sobre o uso da maconha nos esportes.

Algum melhor jogo?

“Todos os meus melhores jogos foram medicados”, disse Barnes.

A entrevista do Bleacher report com diversos ex-jogadores da NBA e NFL ficou muito famosa, conseguindo mais de 3 milhões de visualizações em apenas 24 horas depois de postada.

A publicação com os vídeos – incluindo clipes dos ex-atletas que fumam foi postada dia 20 de abril (Um tipo de feriado na comunidade Canábica), dizendo que é “hora de quebrar o estigma”. Entre os jogadores que participaram: os ex-jogadores da NBA Barnes, Al Harrington, Cuttino Mobley e Kenyon Martin, e ex-jogadores da NFL Shaun Smith, Ryan Clady, Bo Scaife e John Moffitt.

“Continue lutando pela boa luta, meus irmãos”, escreveu o ex-MVP Kevin Durant em um comentário no Instagram. Outras estrelas da NBA também adicionaram comentários de apoio.

Confira a prévia da entrevista postada no Twitter do Bleacher Report:

Ricky Williams

Desde que deixou a NFL, Ricky Williams estudou herbalismo e terapias holísticas alternativas. Williams foi suspenso várias vezes durante sua carreira na NFL pelo uso de maconha, mas falou repetidamente sobre os benefícios e efeitos da planta.

Ele fundou o Real Wellness, que é, uma nova linha de produtos à base de Cannabis que também apresentam extratos de ervas como lavanda e açafrão.

Atletas que defendem a maconha

Siga Ricky Williams no instagram: @williams

Os irmãos Diaz

Os irmãos Diaz são usuários de maconha há pelo menos uma década. Os lutadores de MMA são conhecidos por fumar imediatamente após as lutas e diante das câmeras durante as coletivas de imprensa. 

A famosa afinidade com a planta colocou os irmãos na lista da Rolling Stone de 2017 dos “Maiores Stoners no Esporte”. Isso também os colocou em alguns problemas com o UFC.

Atletas que defendem cannabis

O irmão Nate Diaz. Siga ele e seu irmão no instagram: @nnatediaz209 e @nickdiaz209
Fonte: Metro

Nate e Nick enfrentaram multas e arriscaram a suspensão pelo uso de maconha. Nick recuperou sua capacidade de competir em 2018 e, de acordo com a ESPN, retornará à competição em breve.

Enquanto isso, os irmãos Diaz continuam usando sua plataforma para combater o estigma em torno da maconha. Eles criaram várias parcerias e lançaram a GameUp, uma empresa de super nutrição com base em plantas e com CBD.

Floyd Landis

Landis é um ex-ciclista, que foi vencedor do Tour De France de 2006, mas os testes para drogas que melhoram o desempenho deram positivo. Mais tarde, ele citou outros ciclistas envolvidos no uso de aprimoradores de desempenho.

Agora, Landis está feliz por estar envolvido em uma indústria legítima: ele fundou a Floyd’s de Leadville, uma empresa que produz produtos CBD destinados a aliviar dores e inflamações.

Atletas que defendem Cannabis

Siga Landis no instagram de sua empresa: @floydsleadville
Fonte: HortiDaily

Em uma entrevista em 2016, Landis disse: “Durante anos, confiei em analgésicos opióides para tratar minha dor no quadril. Com a maconha, acho que posso controlar minha dor e ter uma melhor qualidade de vida. Precisamos dar às pessoas uma alternativa mais segura. ”

Amy Van Dyken

Van Dyken é seis vezes nadadora olímpica com medalha de ouro. Ela sofreu um acidente de quadriciclo em 2014, que a deixou paralisada da cintura para baixo.

Van Dyken credita o CBD por permitir que ela gerencie a dor neuropática e tenha uma vida normal: “Não posso viver sem ele e não vou viver sem ele.”

Atletas que defendem cannabis

Siga Amy em seu instagram: @amyvandyken

A medalhista de ouro olímpica anunciou sua parceria com a Kannaway, uma rede de estilo de vida de cânhamo, em 2018. Em um comunicado de imprensa da empresa, ela disse que defende os produtos de CBD da Kannaway porque eles melhoraram drasticamente sua qualidade de vida: 

“Espero que minha história possa ajudar a espalhar a conscientização sobre os benefícios do CBD, para que pessoas como eu possam se sentir mais confortáveis testando esses produtos”

Riley Cote

Cote é um ex-jogador e treinador profissional de hóquei no gelo. Ele passou oito anos na Liga Nacional de Hóquei (NHL) como lateral esquerdo, onde ficou conhecido como o “executor”.

Ele descobriu os benefícios terapêuticos da Cannabis quando era bem novo devido à sua irmã usar para tratar os sintomas da esclerose múltipla (EM). Cote utilizou a planta para tratar a dor, aliviar a ansiedade antes do jogo, recuperar-se mais rapidamente e minimizar a necessidade de produtos farmacêuticos ao longo de sua carreira na NHL.

Após sua aposentadoria em 2010, Cote fundou a HempHeals Foundation e co-fundou atletas da CARE.

Atletas que defendem cannabis

Siga Cote em seu instagram: @rileycote32

Mike Tyson

O lendário boxeador Mike Tyson hoje em dia é um empresário da indústria da Cannabis.

O ex-campeão dos pesos-pesados anunciou a construção do Tyson Ranch no ano passado, espaço que terá 170 hectares no deserto de Hot Springs na Califórnia, além de contar com um hotel de luxo, um festival de música e a Universidade Tyson, que ensinará técnicas de cultivo de maconha para futuros agricultores.

Mike Tyson Cannabis

Foto: CDN

As terras do resort não ficam longe da Base Aérea Edwards, e a revista Blast também informou que os funcionários do rancho serão principalmente veteranos e que eles estão comprometidos a ajudar pessoas das forças armadas, já que o CBD, um composto da maconha que não dá barato, vem sendo usado para tratar transtorno de estresse pós-traumático.

Eben Britton

O atacante jogou 6 temporadas com times como o Jacksonville Jaguars e o Chicago Bears. O ex-jogador da NFL lidera a lista crescente de jogadores que defendem a remoção de maconha da lista de substâncias proibidas da liga.

Atletas que defendem cannabis

O siga no instagram: @edsbritton
Fonte: CBS Chicago

Britton descreveu o uso da maconha como uma forma de reabastecimento mental e físico, o levando à um estado de espírito pacífico, com alívio da dor e melhor qualidade do sono.

Britton co-fundou a Athletes for Care ao lado de Nate Jackson. A organização sem fins lucrativos apóia a pesquisa e a educação, incentivando atletas de todos os níveis a usar sua plataforma para melhorar a saúde global. Ele também hospeda o podcast “Caveman Poet Society” e é o fundador da Be Tru Organics.

Dee Dussault

Dussault é uma ganja yoga extraordinária. Ela é creditada como a primeira professora a oferecer publicamente aulas de ioga com infusão de maconha nos EUA e no Canadá.

No entanto, não é a primeira a combinar os dois: a prática remonta milênios. Mas foi Dussault quem trouxe a ganja yoga de sua sala de estar em Toronto para os principais estúdios da América do Norte. Agora, a tendência do fitness está em toda parte.

Atletas e cannabis

Siga Dee Dussault no instagram: @ganjayoga
Fonte: Oov Lifestyle

O aprimoramento de rotinas de exercícios como ioga com Cannabis diminui o estresse e aumenta o foco e o relaxamento. Em uma entrevista à The Emerald Magazine em 2017, Dussault disse que separadamente, yoga e Cannabis são mostradas para ajudar no controle da dor e na inflamação:

“A combinação dos dois aumenta os efeitos de cada um. Também ajuda as pessoas a explorar o que seu corpo pode fazer – permitindo movimentos criativos e expressivos”.

Jim McAlpine

Jim McAlpine é atleta e empresário nato! Fundou uma série de empresas e eventos esportivos, incluindo Snowbomb.com e Festivais de esqui e snowboard. Em 2014, ele fundou os 420 Games, uma competição atlética nacional para entusiastas de Cannabis.

McAlpine sempre levou um estilo de vida ativo. Como muitos, ele usa maconha para melhorar os treinos e ajudar na recuperação.

Ele disse à Cannabis Now que em 2015 ele nadou uma milha e meia da Baía de São Francisco até Alcatraz depois de ingerir uma forma comestível de Cannabis. Comer metade de uma barra Kiva com infusão, disse ele, era a única maneira de sobreviver às águas frias e nadar muito.

Em uma entrevista ao “PRØHBTD”, McAlpine disse: 

“Uma imagem vale mais que mil palavras, mas o atletismo vale mais que um milhão de palavras. Você não pode refutar que Ricky Williams foi o melhor, certo? Você não pode refutar que Michael Phelps foi o homem mais rápido de todos os tempos na água ou Usain Bolt o homem mais rápido de todos os tempos em terra, e ambos são entusiastas de maconha. Há um [meme] de Michael Phelps com suas 12 ou 15 medalhas de ouro que dizem: ‘Os vencedores não fumam maconha, os campeões sim”.

Atletas que defendem cannabis

Siga McAlpine no instagram: @snowbombjim

McAlpine também é o fundador da New West Summit e co-fundou a Power Plant Fitness, uma academia para cannabis que será inaugurada em 2019.

Andrew Talansky

Atletas e cannabis

Siga Andrew no instagram: @andrewtalansky

O ex-ciclista de elite e atual triatleta passa horas treinando todos os dias. Ele disse que seu corpo está constantemente inflamado e que seus músculos estão sempre doloridos. Talansky disse à revista “Outside” que se voltou para o CBD depois de esticar um flexor do quadril:

“Usei por algumas semanas e houve uma diferença notável imediatamente. E não era só porque meu quadril estava se sentindo melhor. Eu estava menos ansioso e estava dormindo melhor.”

Talansky fala regularmente sobre sua experiência com o CBD. Ele disse ao “Runner’s World” que o ajuda a se recuperar mais rapidamente e a ter menos crises. É por isso que ele tem a missão de incentivar outros atletas a experimentar o CBD e livrar-se do estigma negativo.

Brian Kaho

Kaho é um atleta desde os 13 anos de idade. Ele era lutador e jogador de futebol premiado no ensino médio. Mas seus planos para uma carreira atlética foram suspensos quando ele sofreu um menisco rasgado.

Kaho pesava 270 quilos quando se formou no ensino médio em 2003. Ele estava cansado de carregar o peso do futebol. Ele começou a correr e a usar maconha para melhorar seus treinos.

Atletas e maconha

Siga Kaho no instagram: @weedoutbadvibes

Agora, com um diploma em comunicação pela Universidade Estadual de San José, Kaho trabalha para educar outras pessoas sobre a maconha como um canal para a saúde e o condicionamento físico. O método do personal trainer combina certas técnicas de respiração com rotinas de exercícios:

“[A maconha] pode fazer maravilhas para ajudar a se concentrar na parte mais crucial do exercício: a respiração”.

Kaho apareceu nos Jogos 420 e parece que trabalhará com a Power Plant Fitness quando esta for lançada. Enquanto isso, Kaho continua treinando atletas e promovendo exercícios ecológicos pelas mídias sociais.

Kyle Turley

A maconha salvou a vida de Turley e ele tem sido sincero sobre esse fato desde que se aposentou da NFL em 2007. O ex-jogador de futebol profissional passou oito anos como atacante para equipes como The St. Louis Rams e New Orleans Saints. Como muitos ex-jogadores da NFL, sua carreira o deixou com cicatrizes físicas e mentais.

Turley fala publicamente sobre sua luta com a encefalopatia traumática crônica (CTE). A maconha o ajuda a gerenciar a dor crônica e problemas neurológicos, incluindo depressão, convulsões e demência.

Atleas e cannabis

O siga no instagram: @kyle_turley

Turley continua a aumentar a conscientização sobre o valor medicinal da Cannabis – especialmente no tratamento de lesões relacionadas ao porto e CTE. 

Ele faz parte do conselho da Gridiron Greats, uma organização sem fins lucrativos que presta atendimento a ex-jogadores da NFL em necessidade. Turley também ajudou a fundar o Neuro XPF, um suplemento de Cannabis.

Frank Shamrock

Shamrock é um ex-lutador de MMA e invicto campeão dos médios do UFC. Ele usa Cannabis para tratar lesões sofridas durante seus 16 anos de carreira competitiva.

Frank usa maconha desde criança e, ao longo de sua carreira, disse ao High Times: “Usei maconha durante toda a minha carreira esportiva, desde o primeiro dia até o final. Eu utilizava para me recuperar e para dor, usei também os óleos para proteger meu cérebro. ”

Cannabis no esporte

Siga Frank no instagram: @frankshamrock

Shamrock co-organizou o The BakeOut Show, um programa de entrevistas destinado a educar o grande público sobre a maconha. Ele é membro da Athletes for Care e fala regularmente em eventos como a World Medical Cannabis Conference and Expo.

Cliff Robinson

Robinson é um consumidor de cannabis de longa data. O ex-jogador da NBA All Star jogou 18 temporadas para times como o Portland Trailblazers e o Phoenix Suns.

Atletas que defendem cannabis

Siga Cliff Robinson: @unclecliffy30

De acordo com o Yahoo Sports, Robinson enfrentou duas vezes acusações de maconha da polícia durante sua carreira de jogador e três vezes foi suspenso por violações da política de abuso de substâncias da NBA.

Atualmente, Robinson se dedica a aumentar a conscientização sobre as injustiças e disparidades raciais criadas pela Guerra às Drogas. Ele faz lobby regularmente a favor da legalização da maconha e é membro da Coalizão para regular a maconha em Connecticut. Ele também é o fundador do tio Spliffy.

Ross Rebagliati

O ex-snowboarder canadense ganhou uma medalha de ouro olímpica em 1998, mas foi brevemente revogada depois que o THC foi encontrado em seu organismo. Em uma situação estranha, sua medalha de ouro foi devolvida depois que o Comitê Olímpico admitiu que a maconha não estava incluída na lista de substâncias proibidas.

Esporte e Cannabis

Siga Ross no instagram: @rossrebagliati98

O caso fez dele um nome familiar e trouxe a maconha para os holofotes. Rebagliati fundou recentemente a Legacy, uma marca de estilo de vida de cannabis. “Finalmente estou recuperando meu legado de maconha”, disse ele ao Times.

Avery Collins

Collins é um ultramaratonista. Ele corre em competições que variam de 50-200 milhas por dia. Enquanto uma ultramaratona típica consiste em correr 42 quilômetros ou mais, a definição de Collins é mais intensa:

 “Para mim, a corrida ultra é aquela distância de 80 a 300 quilômetros em ambientes montanhosos e terrenos montanhosos. Muito ganho vertical e trilhas técnicas, rochosas e realmente retorcidas – esse deve ser o desafio final. Realmente não vejo sentido em percorrer 80 km por uma estrada plana. “

Atletas que defendem Cannabis

Siga Avery no instagram: @runninhigh

Ele pode ficar correndo por 28 horas. Seu segredo é a Cannabis, que começou a consumir antes de se tornar um corredor.

Collins é patrocinado pelo The Farm Marijuana Dispensary. Segundo a SB Nation, Collins é o único corredor de resistência patrocinado por uma empresa de cannabis.

Conclusão

A ascensão de atletas de alto nível e programas de treinamento de cannabis levaram a um boom no setor. Na maioria das vezes, os grandes investimentos na área são liderados por atletas de grandes ligas como a NBA ou a NFL.

Com a cultura da maconha crescendo cada vez mais no mundo, a tendência é que cada dia mais atletas “saiam do armário” quanto à Cannabis e que em alguns anos tenhamos total ciência da proporção e abrangência que a maconha tem e  sempre teve na área do esporte.

Seja usada como analgésico para substituir opioides, como ajuda para dormir ou apenas para relaxar após um jogo difícil, a Cannabis vai ganhando seu espaço e crescendo de mãos dadas à medicina para quebrar antigos paradigmas sobre o tema.

 

Gostou do artigo? Já consegue entender um pouco mais sobre a abrangência da Cannabis no mundo dos esportes profissionais? Deixe seu comentário abaixo e nos diga o que achou!

 

Posts recentes

Veja mais