Você sabia que é possível produzir papel, corda, roupas e até cosméticos com a planta de Cannabis? Entenda o que é o cânhamo e como ele pode servir de matéria-prima para diferentes insumos.

O cânhamo pertence ao mesmo gênero da maconha (Cannabis ruderalis) e acaba, muitas vezes, sendo confundido com a erva. No entanto, o cânhamo não tem efeito psicoativo, sendo utilizado em várias segmentos da indústria.

A cannabis ruderalis tem grande potencial e expressividade em países como EUA, Canadá, China, Inglaterra e é conhecida também como “industrial hemp”. O uso do cânhamo industrial inclui suplementos alimentares, produtos para a pele, roupas e acessórios, possuindo mais de 25.000 usos possíveis.

Em estudos econômicos, o tamanho do mercado global de cânhamo industrial foi estimado em US$ 3,9 bilhões em 2017.

Neste texto vamos abordar os principais usos do cânhamo, nos aprofundar na questão da indústria, entender como funciona a “industrial hemp” no exterior e a atual legislação brasileira sobre o cânhamo.

Cânhamo versus Maconha

Pertencente à família das Canabináceas, o cânhamo (Cannabis ruderalis) é uma planta originária da ásia central

Apesar de pertencerem ao mesmo gênero, as diferenças entre o cânhamo e a maconha são muitas, inclusive visualmente, mas principalmente quanto aos compostos químicos que possuem. Por exemplo, o cânhamo é mais alto e esguio, com altura que varia de 2 a 5 metros, além de poucas ou nenhuma ramificação lateral, o que auxilia na utilização de toda a planta, como caule, folhas e sementes.

canhamo vs maconha
(Fonte: Whidbey Island Cannabis)

A planta da maconha (Cannabis sativa ou Cannabis indica) já apresenta um porte mais arbustivo, com maior quantidade de flores, em que se concentra o THC (substância responsável pelos efeitos psíquicos cerebrais).

Por isso, as flores são o órgão da maconha mais utilizado, enquanto no caso do cânhamo utiliza-se todas as partes da planta nas mais diversas indústrias.

A maconha hoje apresenta teores de tetrahidrocanabinol ou THC, que vão de 10 a 30%. Esses valores podem ser muito maiores quando falamos dos concentrados de haxixe extraídos da maconha. 

Em contrapartida, no cânhamo, essa substância varia de 0,03 a 0,3%, não apresentando, portanto, valor para recreação.Esse teor de THC é a característica mais importante que diferenciam as duas espécies, já que é decisivo no momento da legalização do cultivo de cânhamo em um país.

Outro ponto interessante, é o teor do CBD, o canabidiol, considerado composto ativo na planta e benéfico no tratamento de diversas doenças, está presente em ambas as espécies.

cânhamo x maconha
(Fonte: Brookside Holistic)

O que é “Industrial Hemp” e porque ele é tão importante

Não é de hoje que o cânhamo é usado nos mais diversos segmentos da indústria, ele foi uma das primeiras plantas a serem domesticadas pelo ser humano e alguns crêem que foi a primeira matéria prima industrial da humanidade.

Arqueológicos encontraram roupas feitas com fibras de cânhamos em 8.000 a.C. e até 1920 era responsável pela confecção de 80% das roupas.

Outros registros históricos de 5 mil anos atrás, apontam que a planta era cultivada nas margens dos rios Amarelo e Wei, no território atual da China. A princípio, era utilizada principalmente na produção de óleo e fibras.

O primeiro papel da humanidade também foi criado a partir do cânhamo em 250 a.C. Essa forma de produzir papel permaneceu firme até a proibição da cannabis. 

 Durante o século 15, o rei Henry VIII exigiu que todos os donos de terra semeassem ¼ de suas terras com cânhamo. As fibras de cânhamo também eram usadas para fazer as velas e cordas dos barcos, então pode-se dizer que a cannabis chegou ao Brasil com os portugueses.

O proibicionismo esteve muito ligado com interesses políticos e econômicos de diferentes grupos de poder e um deles eram as indústrias concorrentes ao cânhamo.

usos do cânhamo na história
(Fonte: Industrial Hemp)
Tradução da imagem:

 “História do Hemp Industrial”

Acredita-se que o hemp é o mais velho exemplo da indústria humana. Arqueólogos encontraram traços de hemp nessa região (Mesopotamia) de 8.000 a.C.

Hemp foi o primeiro papel do mundo, criado pelos chineses em 250 a.C. Quando a Inglaterra se tornou uma potência marítima, eles precisaram de hemp para as cordas e velas dos barcos.

O presidente americano George Washington cultivou hemp para uso industrial. Até os anos 1920, 80% das roupas eram feitas de tecidos de hemp.

O hemp era uma das mais significantes plantações, para fazer o maior número de coisas até a história recente.

Então por que nós abandonamos uma planta que tem mais de 25.000 usos no mercado global?

2) Nos anos 1930 a pretoquímica e a indústria farmacêutica desenvolveram novos produtos como o plástico e fibras sintéticas.

Ao mesmo tempo, as novas tecnologias fizeram com que o custo-benefício da produção do hemp  fosse mais efetivo que os seus próprios produtos patenteados. Isso estabeleceu um trato com essas indústrias. 

Sob a influência do lobby, grupos poderosos propuseram leis proibicionistas contra o hemp e os seu produtores

Quebrando o estigma: Toda produção de hemp foi acusada de estar plantando drogas de uso recreacional.  De qualquer forma, cânhamo não é um droga recreacional.  

INDUSTRIAL HEMP

  • Menos de 0,3% de psicoativos.
  • Plantados por causa da fibra, talo e semente.
  • Densamente plantada para desencorajar a ramificação e floração.
  • Fibra forte e duravél. 

MACONHA

  • Contém de 10-30% THC
  • Cultivado pelas folhas, topo e flores
  • Escassamente plantada para desencorajar a ramificação e floração
  • Frágil e fibra pouco resistente 

Então por que a gente continua usando fontes de energia não-renováveis, e práticas não-sustentáveis para produzir  os nosso bens e produtos?

3) O futuro do industrial hemp

É tempo de repensar o atual modelo de produção e move adianta para um modelo de consciência de impacto ambiental. Então, qual é o papel do cânhamo nisso? Para inicio, o hemp é um substituto natural para algodão, madeira e plástico.

Se usado como alternativa para esses produtos isso pode:poupar o uso de pesticidas, reduzir o desflorestamento, reduzir emissão de carbono.

O hemp industrial pode ser usado em um monte de industrias: agricultura, automobilística, cosméticos, têxtil, furniture, alimentícia, reciclagem, construção e papel.

O cânhamo cresce rápido, se adapta a uma grande variedade de climas e solos e tem um alto rendimento.

O hemp industrial é sustentável, renovável, biodegradável e reciclável. Para crescer com consciência a gente só precisa de educação imparcial e coragem política.

Por que hoje temos o termo “ Industrial Hemp” ou, em português, “cânhamo industrial”?

Esse termo foi criado e utilizado, exatamente, para distanciar de outros termos associados à maconha e seus usos recreativos e para distanciar a luta pela legalização. Os motivos pelos quais o cânhamo necessita ser legalizado são diferentes da maconha recreativa e até mesmo dos seus usos medicinais

A luta pela legalização do cânhamo é uma questão principalmente de sustentabilidade e de uma alternativa mais limpa para diferentes indústrias, afinal o cânhamo tem diversas utilidades. 

Cânhamo na indústria têxtil

Uma das principais indústrias que o cânhamo é usado, desde a China antiga como citamos, é o segmento têxtil.

As fibras são muito resistentes, com textura parecida com o linho, podendo ser misturadas com as fibras de algodão e seda, por exemplo, com o intuito de diversificação do uso. 

Os tecidos de cânhamo não são a única utilidade das fibras do cânhamo, estas podem ser utilizadas como fios, papel, corda, carpete, móveis, materiais de isolamento térmico, peças na indústria de automóveis e na construção civil.

Um dos benefícios do cânhamo é apresentar uma duração de 3 a 5 vezes maior que o algodão.

E por ser um planta rústica, apresenta menores exigências no cultivo, quando comparado ao algodão, cultura que exige muito conhecimento para o manejo.

Da mesma forma, não é necessário uso de defensivos agrícolas, o que diminui no custo de produção, além de apresentar como característica relevante a fitorremediação, utilizada para descontaminar ou absorver substâncias tóxicas ao solo.

Todas as partes da planta podem ser utilizadas para manufatura de algum produto, não havendo desperdício.

Muito além das fibras: Os diversos produtos a partir do cânhamo

Com o decorrer dos anos, a indústria do cânhamo aumentou muito a variedade de produtos, incluindo alimentos saudáveis, cosméticos orgânicos, roupas, materiais de construção, como blocos de concreto, biocombustível, compostos de plástico, etc.

A figura abaixo mostra a variedade de produtos que pode ser extraída de toda a planta:

usos do cânhamo
(Fonte: Forbes)

Segundo o site da Forbes, as sementes, fibras e óleo de cânhamo são muito utilizados por grandes empresas, como Ford Motors, Patagonia e The Body Shop.

Cânhamo na indústria cosmética

cosméticos cânhamo
(Fonte: The Body Shop)

A indústria de cuidados pessoais utiliza principalmente o óleo proveniente das sementes do cânhamo.

O óleo prensado a frio é um excelente hidratante natural da pele. Ele também possui alto e equilibrado teor de ácidos graxos essenciais (ômegas 3 e 6), o tornando um ingrediente ideal para os produtos para o cuidado do corpo.

Isso porque os ácidos graxos essenciais acalmam e restauram a pele quando adicionados a pomadas e cremes.

Além disso, a textura natural confere excelente emoliência e suavidade às loções, protetores labiais, condicionadores, xampus, sabonetes, produtos de barbear e óleos de massagem.

Os óleos da planta também contém o ácido gama-linolênico (GLA), com pesquisas demonstrando que este é um protetor solar natural, com UV de amplo espectro.

Cânhamo na construção civil

A mistura do núcleo amadeirado do cânhamo com cal e água produz um concreto leve e natural que retém a massa térmica e é altamente isolante.

Por isso, em diversos países, especialmente nos Estados Unidos, blocos estruturais baseados em cimento usando cânhamo estão sendo introduzidos no mercado.

Esses blocos têm como principais benefícios, além do isolamento, serem atóxicos, à prova de fogo, captura de carbono, resistente a mofo e pragas.

cânhamo construção civil

Casa à beira-mar em Maui em construção, com paredes do primeiro andar feitas de painéis de cânhamo. (Fonte: American Lime Technology em CNBC)

Cânhamo na alimentação

O cânhamo é conhecido no ramo da alimentação por sua semente. Ela possui diversas propriedades funcionais e nutricionais, com alto teor de proteínas, ômega 3 e 6.

A cada 100 gramas de sementes de cânhamo, é o equivalente ao teor de proteínas presentes em 100 gramas de frango.

Além disso, a semente também possui o CBD, substância benéfica no tratamento e prevenção de diversas doenças.

Na Inglaterra, um dos principais países no consumo e cultivo da planta, é utilizado como base para diversos alimentos, como pães, bolachas, leite, azeites de boa qualidade e farinhas.

E o uso do cânhamo ainda vai além apenas da alimentação humana. As sementes são muito utilizadas nas rações de animais, pelo alto teor de proteínas, principalmente em aves, na Europa.

Como está a situação de produção e indústria nos outros países?

Atualmente, o cânhamo é cultivado e industrializado com finalidade comercial e é utilizado para pesquisa em 47 países.

Dentre estes, os maiores produtores são:

  • 1° China: Produção de 44.000 toneladas por ano e 2° lugar na produção de sementes, mundial, representando 38%;
  • 2°  Coreia do Sul: Colhe, aproximadamente, 14.000 toneladas anualmente;
  • 3° França: Considerada também o principal produtor de sementes (59% do total de sementes produzidas mundialmente)
  • 4° Chile: Principal produtor da América do Sul, colhe cerca de 4385 toneladas por ano, além de ocupar o 3° lugar como maior produtor mundial de sementes para extração do óleo de cânhamo;
  • 5° Holanda: Produção maior que do Chile, com 6614 toneladas por ano, teve aumento de produção de 200% nos últimos 2 anos;

Em relação aos lucros gerados pela indústria, em 2012 nos EUA, foi avaliada em $500 milhões de dólares anuais. No entanto, o mais curioso é que nessa época o mercado era abastecido 100% com importações, já que o cultivo da safra do cânhamo, para fins comerciais, não era legalizado pelo governo (a nível federal). Somente no ano de 2018 o governo federal americano legalizou o cânhamo como um produto agrícola, retirando-o da lista de substâncias controladas.

Abaixo você pode ver o tamanho do mercado da “Industrial Hemp” nos Estados Unidos nos três maiores segmentos (sementes, “shivs” e fibras), além de suas projeções para os próximos anos.

Shivs é o material interno das hastes colhidas da planta, custam metade do valor da fibra e é utilizado em várias indústrias, como construção civil, por exemplo.

crescimento industria cânhamo
(Fonte: Industrial Hemp Market Size, Share, Industry Trends Report, 2018-2025)

Outros países que possuem algum tipo de regulamentação para o cultivo são: Austrália, Áustria, África do Sul, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Grã-Bretanha, Hungria, Índia, Japão, Malawi, Polônia, Romênia, Rússia, Eslovênia, Espanha, Suíça, Egito, Portugal, Tailândia, Lesoto, Zâmbia, Zimbábue, Ucrânia e Estados Unidos.

No Brasil, o cânhamo continua sendo tratado da mesma forma que a cannabis, mesmo sendo cientificamente reconhecido sua quantidade insignificante de compostos alucinógenos. Desse modo, seu cultivo e comercialização enquanto planta continuam proibidos.

Apesar disso, a luta por uma regulamentação continua. Em 2019, a empresa Schoenmaker Humako Agri-Floricultura, pertencente ao grupo Terra Viva, ganhou autorização judicial para poder importar e cultivar sementes de cânhamo industrial.

Em 2020 a ANVISA recorreu a decisão e desde então a briga jurídica segue ocorrendo, mas com cada vez mais esperanças por decisões favoráveis a autorização do plantio de cânhamo. 

Um estudo sobre a maconha e o cânhamo no território nacional, foi publicado pelo senado em 2014.Neste documento, há revisões bibliográficas sobre cultivos históricos dessas espécies pelo mundo e além da discussão da regulação para fins industriais, recreativos e medicinais.

Conclusão

Fica claro que o potencial produtivo do cânhamo vai muito além do que conhecemos da maconha, podendo gerar produtos de qualidade, cultivados de maneira mais sustentável por todo o mundo.

A maconha tem diferentes usos e todos eles são importantes e por isso a legalização é uma pauta que defendemos para que a gente possa acessar a cannabis e aproveitar de todas as suas propriedades benéficas. 

No entanto, o preconceito e a falta de informação a respeito da cannabis fazem com que a opinião da população em geral seja contrária a legalização do seu cultivo.

Desse modo, a legislação brasileira continua fechando os olhos para essa oportunidade de mercado interno e, especialmente, externo.

Enquanto isso, veremos países vizinhos, como o Chile, Argentina e Uruguai prosperando com os mais diversos usos e benefícios do cânhamo e da maconha no geral e continuamos correndo atrás de informações para despertar cada vez mais pessoas pela luta a favor da legalização da cannabis.

O que você achou deste texto? Sentiu falta de algum assunto mais comentado sobre o cânhamo nos dias atuais? Restou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo!

jQuery('#cb-section-b .cb-module-e').after('');