O Haxixe afegão é um dos mais tradicionais do mundo. Conheça a história e aprenda como é essa forma secular de extrair Haxixe.

O cânhamo é usado na Ásia das mais diferentes formas há milênios. Existem referências do seu uso como alimento, óleo e também fibra. O momento exato em que a cannabis passou a ser cultivada como para fins psicoativos é desconhecido, mas o Afeganistão fez parte dessa história.

Muitos acreditam que a cannabis surgiu nas montanhas que dividem a Índia com o Nepal, outros acreditam que o Afeganistão é o berço da maconha. Independentemente em qual dos dois países a cannabis surgiu, em ambos o cultivo de maconha e a extração do Haxixe é uma prática tradicional e secular e até hoje um dos haxixes mais cobiçados do mundo vem dessa região.

Nesse texto vamos focar no haxixe afegão. Entenda como é produzido e saiba como identificar uma das extrações mais tradicionais do mundo.

Como o haxixe chegou no Afeganistão?

O haxixe é uma extração da cannabis feita a partir dos tricomas das flores. Isso torna o haxixe uma substância concentrada com altas quantidades de THC. Para extrair essa massa existem diferentes métodos, que vão do tradicional e milenar charas até o ultramoderno rosin. 

O Haxixe Afegão, assim como o marroquino, é extraído sem solventes e de forma manual. Mas antes de falar sobre a produção dessa resina, vamos voltar ao tempo e entender mais sobre a história da maconha no Afeganistão.

Em 1957 a cannabis se tornou (e ainda é) ilegal, mas o seu uso nunca deixou de ser popular. O Haxixe sempre foi consumido por pessoas de todas as classes sociais, não há um julgamento ou uma marginalização do uso, como acontece no Brasil, por exemplo, é um hábito culturalmente aceito.

A fama do Haxixe afegão atraiu muitos hippies e viajantes amantes de cannabis ao Afeganistão durante as décadas de 60 e 70 e segundo a UNODC, hoje o país é o maior produtor de Haxixe do mundo.

Genéticas Lendárias

As plantas de cannabis afghan são únicas por conta das misturas entre sativa e indica que aconteceram com o passar dos anos. Nikolai Vavilov é um botânico russo que se dedicou ao estudo das plantas de cannabis afegã e segundo ele, as plantas cultivadas no Afeganistão na primeira metade do século XX eram variedades de sativas, depois as plantas indicas se popularizaram o que levou a uma hibridização acidental entre as plantas.

As genéticas que crescem em solo afegão são chamadas de Landraces, que junto com outras genéticas são a base para cruzamento e criação de outras strains pela indústria canábica. Do norte de Jammu e Kashmir até a cordilheira dos Himalaias está localizada a região conhecida como Hindu Kush, e as Landraces que ali nascem deram origem à tão popular genética Kush.

Predominantemente indicas, as variedades do Kush são caracterizadas pelo seu tamanho médio e sua estrutura cônica de coloração verde escuro. Resistentes e extra-resinosos o Haxixe extraído das strains de Kush é muito saboroso, cítrico e com um forte aroma.

A maconha é legal no Afeganistão?

Haxixe Afegão
Foto: The Medical Cannabis Dispensary

Em 2011, aproximadamente 65 mil fazendeiros plantavam maconha. O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes identifica que a principal razão pela qual os agricultores cultivam cannabis é a pobreza. O cultivo de maconha no Afeganistão é uma atividade mesmo tentadora, a renda líquida de um hectare da planta é estimada em US$3,3 mil.

As plantações afegãs também têm um ótimo rendimento. Cada hectare produz 145 quilos de Haxixe. Já as plantações do Marrocos, outro grande produtor de Haxixe, rendem em média 40 quilos por hectare.

Apesar de ser o maior produtor de Haxixe do mundo, é ilegal cultivar cannabis no Afeganistão para uso recreativo ou medicinal. Algumas empresas têm autorização para plantar para fins acadêmicos e de pesquisas, mas seu uso, porte e venda são ilegais.

A pena para quem estiver com menos de 10 gramas de maconha no país é de um a três meses de prisão e uma multa de 60 a 120 USD. Acima de 10 gramas é considerado tráfico e a pena é de um a três anos de prisão mais uma multa entre 600 e 1200 usd.

Como o Haxixe Afegão é produzido?

O haxixe afegão é produzido basicamente em toda a extensão do país, as melhores qualidades sendo encontradas nas províncias mais ao norte.As plantas usadas para a produção deste haxixe são Indicas pequenas e densas. 

Após a cannabis ser colhida, seca e curada, as flores e folhas são quebradas e peneiradas para produzir garda, um pó rico em tricoma. A primeira camada de resina é a de melhor qualidade.

Com a garda o Haxixe afegão é produzido.O haxixe afegão é prensado com as mãos, com a adição de uma pequena quantidade de chá ou água para ajudar na consistência. O haxixe é trabalhado até adquirir uma textura muito elástica e um cheiro extremamente forte.

É um processo demorado e trabalhoso, mas a qualidade é incrível.

Principais Características do Haxixe Afegão

O Haxixe afegao tem uma consistência muito diferente do bubble hash e também do haxixe marroquino. Aprenda a reconhecer as características desse tipo de resina.

  • Cor: Preto por fora, verde escuro ou marrom por dentro. Se mal conservado, pode adquirir uma cor cinza por fora.
  • Consistência: Muito macio, consegue ser manipulado facilmente.
  • Potência: Normalmente é muito potente. Usuários relatam que sua onda pode demorar de 5-10 min para atingir o auge, cuidado para não exagerar!
  • Disponibilidade: Relativamente raro em qualidades excelentes. Pode ser um pouco mais caro que o marroquino, porém sua qualidade normalmente é superior.

Como fumar o Afghan Hash?

O haxixe afegão é consumido da mesma forma que o Dry Sift, ou seja, ele pode ser fumado enrolado em um baseado, em um cachimbo ou também vaporizado. Para bolar o haxixe afegão é preciso misturar uma pequena quantidade de resina picada ou em cobrinha com um pouco de maconha em flor ou tabaco.

Lembrando que quando fumamos um baseado, inalamos substâncias tóxicas derivadas da combustão do THC. Quando tabaco é adicionado ao Haxixe inalamos ainda mais toxinas. Para reduzir ao máximo os malefícios que causamos ao nosso corpo ao fumar, existem algumas estratégias de redução de danos.

Usar piteira no baseado é essencial para reduzir danos. A piteira tem o papel de filtrar as impurezas do beck e resfriar a fumaça. Quanto maior a piteira, melhor para a nossa saúde. Adicionar um filtro ao baseado também ajuda a reduzir danos e diferente do que muitos pensam, o filtro não diminui a potência do baseado.

Se a escolha for fumar em um cachimbo é aconselhado usar um feito de vidro, que é um material que não solta substâncias tóxicas quando aquecido, diferentemente do plástico. 

Vaporizar um Haxixe afegão deve ser feito em um vape especial para extração. A vantagem da vaporização é evitar a inalação das toxinas derivadas da combustão e também escolher quais canabinóides consumir a partir da escolha da temperatura.

Outra dica para conservar o haxixe afegão é armazenado em um recipiente livre de umidade e calor. Potes de silicones são vantajosos porque não grudam e protegem o haxixe de luz.

Esperamos que as informações sobre as genéticas lendárias e um dos haxixes mais famosos do mundo tenha sido interessante para vocês! Fiquem ligados nos próximos textos para conhecer outras variações de Haxixe pelo mundo.

FONTES

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/12/ciencia/1560325693_718056.html

https://sensiseeds.com/en/blog/countries/cannabis-in-afghanistan-laws-use-history/

https://geaseeds.com/blog/pt-pt/legendarias-geneticas-de-cannabis/

https://maryjuana.com.br/2015/07/mary-explica-o-que-sao-landraces/

jQuery('#cb-section-b .cb-module-e').after('');