O Haxixe Marroquino faz parte da cultura e história desse país ao norte da África. Aprenda mais sobre seu consumo ritualístico e muito especial.

Todo maconheiro já deve ter ouvido falar do lendário Haxixe Marroquino. É neste país ao norte da África, que um dos haxixes mais cobiçados do planeta é produzido. A planta faz parte das tradições nas montanhas do Rif, região ao norte do Marrocos. 

Por lá, as montanhas são cobertas por imensas plantas que crescem livres e fazem parte do cotidiano dos locais, mas por mais estranho que pareça, o cultivo e consumo de maconha é proibida no país e tanto o cultivo de maconha como a produção de haxixe dependem da vista grossa das autoridades do país.

Para entender como funciona a política de drogas do Marrocos, temos que entender primeiro as tradições relacionadas com a cannabis. Nesse texto vamos entrar no universo marroquino e conhecer a produção desse haxixe, suas características e papel na sociedade e economia marroquina.

A história do haxixe no Marrocos

Haxixe Marroquino
Haxixe Marroquino

A Cannabis Sativa está presente na história do Marrocos desde do século VII. A erva, também conhecida como Kif na região, é consumida de forma ritualística ou como um medicamento. Até hoje é possível encontrar em farmácias tradicionais de Chefchaouen, cremes e óleos caseiros feitos à base de Cannabis são usados com fins terapêuticos como dor crônica.

Foram os muçulmanos que introduziram a maconha no Ocidente, o que é muito curioso já que o Islamismo é uma religião que proíbe o consumo de álcool. Entretanto, segundo a interpretação de muitos seguidores e simpatizantes da religião, fumar maconha não é Haram (pecado), pois não faz com que o usuário perca seus sentidos ou altere seu comportamento.

A maconha é uma planta que quando consumida altera o pensamento e relaxa, mas também tem um vasto uso terapêutico a até industrial que vai de matéria prima para confecção de fibras até o uso como combustível. Por essas propriedades da cannabis, muitos não consideram a substância como droga e o seu uso contrário aos ensinamentos de Alá.

O Haxixe em si começou a ser extraído das plantas de maconha no final dos anos 60 e teve seu auge nas últimas décadas do século XX quando europeus encheram as montanhas Rif em busca da resina. Durante esse período, as plantações de maconha chegaram a cobrir 134 mil hectares e a exportação de haxixe para Europa a mais de 3 mil toneladas anuais.

Atualmente o Marrocos é um dos maiores produtores de Haxixe do mundo, ficando atrás apenas do Afeganistão. O país abastece de haxixe 80% do mercado europeu, o que movimenta 1,5 bilhão de euros ao ano e equivale a mais de 10% do total das exportações do país. 

Cultivo de Cannabis no Marrocos
280Cultivo de Cannabis no Marrocos

Políticas de drogas no Marrocos

Apesar das diversas formas de uso que a cannabis tem no Marrocos e da sua importância cultural e econômica para o país, o cultivo, porte e consumo são proibidos desde 1956. Então como a cannabis consegue ser cultivada em uma área tão grande nas montanhas?

A legislação da erva sempre oscilou na história do Marrocos. Em 1890 o sultão Mulay Hassan autorizou, sob uma condição de que os impostos da venda do tabaco e kif seriam para o sultão, o cultivo de maconha em algumas zonas tribais berberes da região do Rif. Ketama foi uma dessas aldeias e até hoje é a mais conhecida da área.

Com a independência do Marrocos e as pressões do proibicionismo americano em escala mundial, o país proíbe a maconha, mas as produções continuam nas mesmas áreas e vilarejos históricos e as autoridades fazem vista grossa a essas fazendas. 

Ainda assim, nos últimos dez anos aconteceram algumas campanhas de apreensão e queima de cultivo, que reduziram drasticamente as áreas onde a cannabis era cultivada. Outro fator importante é que os policiais estão atentos principalmente aos turistas canábicos que muitas vezes saem da região com quilos de haxixe para levar à Europa, então diferente do que pode parecer, a região do Rif não é uma terra sem lei.

Atualmente o parlamento está estudando uma mudança nas leis para regulamentar de vez a produção, porte e venda de Cannabis e Haxixe. Caso a maconha seja legalizada, o Marrocos se tornará o primeiro país africano a legalizar o consumo de maconha para fins recreativos.

Na África do Sul o consumo de maconha é descriminalizado. No Lesoto, Malawi e Zimbabwe o cultivo, exportação e venda para fins medicinais e científicos já é permitido. No caso da Zâmbia apenas o cultivo para exportação é legalizado.

 Como o Haxixe Marroquino é produzido

Como é feito o Haxixe Marroquino
Como é produzido o haxixe marroquino

As enormes plantações que colorem o norte do Marrocos de verde são destinadas para a produção do Haxixe Dry, uma forma artesanal e manual de extrair a resina da cannabis.

 O método tradicional para fazer haxixe marroquino envolve cobrir uma tigela grande com um filtro e colocar a planta já triturada em cima dela. A tigela e o material da planta são embrulhados em plástico e o material é golpeado com gravetos para que os tricomas se soltem da planta. O kief cai através do filtro para ser coletado na tigela, depois é prensado para virar o haxixe.

Muitas variedades de cannabis foram usadas durante os séculos para a produção deste haxixe. Isso fez com que surgissem variações dentro do próprio haxixe marroquino, e vamos falar um pouco sobre elas agora.

Quais são os tipos de Haxixe Marroquino e suas características

Existem vários tipos de haxixes marroquinos que variam entre si principalmente na potência dos seus efeitos. Isso acontece porque na hora de extrair com o método Dry Sift (em português peneirado a seco) diferentes qualidades de haxixe são produzidas. 

Vamos entender cada tipo de Dry Marroquino que existe, começando do mais simples.

Haxixe Marroquino Primero
Foto: Cannabis Avenue

Primero

  • Cor: Marrom claro, podendo ocorrer um verde claro no meio.
  • Consistência: Geralmente bem duro e esfarelado.
  • Potência: Tende a ser alta, porém varia dependendo da planta usada na produção.
  • Disponibilidade: Extremamente raro. Se você não morar na região dos arredores do Marrocos, pode desistir de encontrá-lo.

Slate

Haxixe Marroquino Slate
Foto: 420Hash
  • Cor: Marrom esverdeado. Devido às temporadas mais curtas de cultivo, as plantas retém boa parte da cor verde na colheita.
  • Consistência: Varia bastante, geralmente é bem duro.
  • Potência: Média-baixa, raramente achará um extremamente potente. Nem mesmo os melhores haxixes marroquinos podem ser chamados de muito fortes quando comparados com outras variedades.
  • Disponibilidade: O Haxixe Marroquino Slate é o mais comum no mercado europeu, só recentemente tornou-se possível encontrar outros tipos com mais facilidade na rua. São vendidos com muitos nomes diferentes: Standard, Melange, Premier, zero, zero-zero,  Sputnik, pólen, chocolate e provavelmente muitos outros. Infelizmente, esses nomes não são muito úteis pois os revendedores dão nome a tudo o que é um pouco melhor do que o normal para subir os preços.
Haxixe Marroquino Polm
Foto: Best Friends Amsterdam

Polm

  • Cor: Caramelo.
  • Consistência: Geralmente mais macio e esfarelado.
  • Potência: É o haxixe marroquino de melhor qualidade que você encontrará pela Europa.
  • Disponibilidade: Normalmente vêm em pequenos formatos ovoides pesando 5 gramas. Estes pedaços são feitos à mão por artesões e fazendeiros. No Marrocos você encontra essa variedade por 500€ o quilo, mas ao atravessar o estreito de Gibraltar se prepare para pagar pelo menos 5 vezes mais caro por ele. Entretanto, vale a pena! Você estará pagando por qualidade e não quantidade. 
  • O Haxixe tem muita importância e significado para os marroquinos e entender isso é ressignificar a planta de Cannabis para além das propriedades psicotrópicas. Espero que esse texto tenha trazido um pouco dessa perspectiva para vocês!

FONTE 

https://piaui.folha.uol.com.br/materia/na-rota-do-kif/

jQuery('#cb-section-b .cb-module-e').after('');